A riqueza da humanidade

Por Camila Heloíse

Os tempos são difíceis, sabemos. Todos os dias os jornais nos entregam números assustadores e índices de mortes, roubos, doenças, pobreza e dor que não param de aumentar. Estamos tão acostumados a pautar o nosso dia com essas informações, que já não olhamos o quão boa a vida também sabe ser.

Nesse mesmo dia, em que pessoas se mataram, outras venceram uma importante luta pela vida. Alguns bebês nasceram, pessoas se casaram, ONG’s cumpriram seu importante papel na sociedade e ajudaram outras tantas. Árvores foram plantadas, flores foram regadas e animais resgatados e cuidados. Isso significa que não acontecem apenas coisas ruins, e que as coisas boas, com toda certeza, são infinitamente maiores, embora não tão noticiadas. Se não fossem, acredito que já não existiríamos mais.

Porém, existimos. E somos fortes, capazes e superamos a dor, a perda, a tristeza e a solidão. Quando nos recordamos da nossa infinita capacidade de amar, e de refletir sobre o mundo e as pessoas, sem que isso nos amargure, voltamos à vida. Ao recordarmos de que todas as coisas e pessoas estão só de passagem, damos novo sentido aos relacionamentos interpessoais e perdemos o medo da falta, da solidão, identificando o apego e podendo assim, buscar uma maneira mais leve de encarar o cotidiano.

Haverá derrotas, infinitas! Tantas que você desistirá de vários sonhos pelo caminho. Mas também vão existir vitórias infindáveis, onde a sua determinação se multiplicará, sua força se dobrará e a vida parecerá algo muito melhor do que é. Com isso, novos sonhos surgirão cada vez maiores e com a certeza de sua realização.

Viver é sobre isso: não olhar apenas os fracassos da humanidade, mas sim, suas riquezas.

Somos parte de um mundo onde as pessoas são capazes de dividir o pouco que tem para que outros sobrevivam. Cuidamos uns dos outros, temos esperança e fé na vida, somos criativos, ousados e resistentes. Não somos apenas parte de um triste índice repetido nos telejornais. Somos além.

Então, como sobreviver e um mundo que nos parece mais triste do que feliz?

Seguindo em frente! Colocando o amor antes de cada passo, de cada ato. Escolhendo fazer parte do índice onde o bem só aumenta e sempre vence o mal. Segurando firme nas mãos de quem tem capacidade de enxergar a beleza da vida, de quem tem a paciência de esperar cada semente gerar seu fruto.

Viva, para além das expectativas divulgadas. O medo ocupa muito espaço em nossos corações e mentes, então, deixe-se guiar pela esperança até que isso se torne um hábito. Construa um norte para seguir que te permita observar e vivenciar a riqueza da humanidade, este lugar onde existe paz, amor e coragem.

 

O que só você pode fazer por si mesmo

Por Camila Heloíse

Minha mãe me deu um conselho estes dias, antes de ir embora: “Cuide de você! Não espere que ninguém venha fazer isso, e reze todos os dias.”

Não existe nenhuma metáfora escondida aí. Rápida e rasteira ela me lembrou de que, apesar de colaborar com a nossa sensação de bem-estar, ninguém, absolutamente ninguém, é responsável por alguns cuidados que somente nós podemos ter com a gente mesmo.

Cuidar-se ao invés de esperar que o outro faça isso, tem a ver com o amor que doamos e esperamos sempre algo em troca, ainda que, na maioria das vezes, digamos que não. É como se amar tornasse o outro obrigado a cuidar de nós e das nossas expectativas. Como se o outro fosse o grande responsável pela nossa sanidade.

Foi sobre isso o seu conselho. Sobre amar livre de expectativas e, principalmente, obrigações. “Por que você fez isso comigo?”, esta frase com certeza você já disse para alguém, ou já escutou de alguém. Mas, quando as coisas dão errado, já parou para se perguntar, “Por que eu fiz isso comigo? Por que me permiti isso?”.

Infelizmente, tanto eu quanto você, já sofremos por amor e vamos sofrer novamente (quem sabe?). E eu, já me vi repetir e lamentar de o porquê o outro, de posse do meu sentimento mais puro – o amor, não retribuía cuidando dos meus sentimentos, mantendo minha mente sã e minhas expectativas sob controle.

Temos a mania injusta de condenar os outros por prisões em que nós mesmos nos colocamos. Às vezes até permanecemos dentro desta prisão lamentando, mesmo tem em mãos, a chave que abre o cadeado.

É duro responsabilizar a si mesmo. Tão mais fácil dizer que estamos fracos o suficiente para não reagirmos devido à falta de cuidado do outro, do que encarar o fato de que, escolhemos por conta própria esperar que o outro tomasse conta da nossa mente, corpo e espírito. E o fracasso é somente nosso, o outro não tem a responsabilidade de cuidar de ninguém, além de si mesmo.

Então, cuide de você. Faça por você. Não espere que, amando, você entregou o seu precioso coração para o outro e agora ele deve tomar conta. Ele não deve. Quem deve isso à você, é somente você mesmo. Mantenha-o saudável dentro do próprio peito, mantenha os seus sentimentos sob controle e suas expectativas também.

Levei tão a sério o que ela me disse que tomei como honra: “vou cuidar de mim, independentemente de qualquer sentimento por qualquer pessoa”, pois, cuidar de mim é o mínimo que eu posso fazer para honrar a vida que tenho.

Daquele dia em diante, não levantei um dia sequer sem pensar em como mereço meus cuidados, antes de esperar que alguém faça isso. Se alguém fizer, ótimo, é lucro pois eu mesma já tomo conta de mim. E então eu me cuido, com carinho, respeito e muito amor.

E ah, também rezo todos os dias…

O poder do silêncio

Por Camila Heloíse

Fiz silêncio várias vezes. Quando gritaram comigo; quando me ofenderam; quando me julgaram por alguma coisa; quando me culparam por algo ou me humilharam. Tive vários motivos em minha vida para revidar. Me fizeram chorar e perder a paz muitas vezes ao longo da vida. E eu? Fiz silêncio. Não por autocontrole, não por inteligência emocional (pelo menos não no início). Fiz silêncio porque a minha mãe sempre me ensinou a não revidar. E o que mais pode alguém que nos ama nos ensinar, se não coisas boas para nosso crescimento pessoal? Continuar lendo “O poder do silêncio”

A arte de sacudir a poeira e seguir em frente

Por Camila Heloíse

Não nos ensinam na escola o quanto é difícil seguir em frente. E quando nos contam sobre isso, parece que é apenas para abandonarmos as malas, soltarmos os grilhões que nos prendem e caminhar para frente, não importando o destino, apenas caminhar.

Ninguém nos avisa a quantidade de obstáculos que vamos encontrar pelo caminho, muito menos o que fazer quando encontrarmos com alguns deles que vão parecer muito maiores do que nós mesmos. Não nos contam sobre as pessoas por quem vamos nos apaixonar e ter que deixar para trás, não nos contam sobre os falsos amigos, sobre as desesperanças e o medo, não nos avisam o quanto seremos solitários em nossas batalhas. Continuar lendo “A arte de sacudir a poeira e seguir em frente”

Você precisa dar um tempo a si mesmo

Por Camila Heloíse

Quando os dias ficam confusos e apressados. Quando a mente faz tanto barulho e você já não sabe qual pensamento ouvir primeiro. Quando o trabalho o deixa cansado o suficiente para você se perguntar se fez as escolhas certas. Quando o dia chega ao fim e você não tem mais vontade de fazer nada a não ser deitar em sua cama e dormir… Você precisa dar um tempo a si mesmo. Continuar lendo “Você precisa dar um tempo a si mesmo”

Quando você pensar que não merece ser feliz, leia isso

Por Camila Heloíse

Olha, eu sei que às vezes você olha para a felicidade, ali, bem diante do seu nariz, e nem sabe o que fazer com ela. Provavelmente, você e viveu tantos relacionamentos limitados e que mantiveram o seu coração sempre em estado de alerta, sempre em prisões invisíveis, que quando a felicidade vem simples e direta, você nem entende o que está acontecendo e não sabe como reagir. Outro dia, me vi tão feliz em um momento simples e comecei a chorar, foi então que eu percebi que já não sabia mais o que era a felicidade, e por alguns instantes, acreditei não merecê-la. Continuar lendo “Quando você pensar que não merece ser feliz, leia isso”

Para você se lembrar de viver (e ser feliz)

Por Camila Heloíse

É preciso coragem e leveza para se viver bem, aceitando que pode ser que metade dos seus sonhos não se realize. E tudo bem. Não é por isso que a vida será infeliz ou menos interessante. É possível viver de várias outras maneiras, além daquela que você classificou como “a ideal” e ainda assim se sentir completo e realizado. Continuar lendo “Para você se lembrar de viver (e ser feliz)”