Destaque

Rafa Garcia: Inspirando mulheres a se vestirem de si mesmas

Mais ser, menos ter: conheça um pouco da história da consultora de imagem Rafaela Garcia

Texto: Camila Heloíse | @camilaheloiseescritora

De consumidora compulsiva para uma consultora de estilo focada em melhorar a relação com o consumo por meio de uma abordagem prática e objetiva, porém, humanizada, sem regras e bem distante dos padrões.

A história da Rafaela Garcia, natural de Petrópolis (RJ), inspira por tocar em dois tópicos que assistimos transbordar em nosso dia a dia: a infelicidade da não realização profissional e o consumo desenfreado.

Continuar lendo “Rafa Garcia: Inspirando mulheres a se vestirem de si mesmas”
Destaque

Mente Grata: uma história de autoconhecimento e transformação

Para ler ao som de Free – Charlie Puth

Texto: Camila Heloíse | @camilaheloiseescritora

Em um mundo onde às vezes nos perguntamos: qual o meu lugar? A Fran e o Evandro descobriram que o Universo inteiro poderia ser a casa deles, e que o mundo era muito grande – o que seria um ótimo motivo para o casal nômade espalhar maravilhas por aí.

Sabemos que nenhum sonho nasce pronto e que nada cai do céu embalado para presente. É preciso lógica, dedicação e ação para tornar um sonho possível, e isso o Evandro tem de sobra. E para deixar tudo ainda melhor, a Fran incluiu na receita desse sonho muita emoção e toda sua doçura.

Continuar lendo “Mente Grata: uma história de autoconhecimento e transformação”
Destaque

Os incomodados que se mudem: então, tchau!

Texto: Camila Heloíse

Eu não sei ao certo o porquê, mas um dia você acorda e simplesmente alguma coisa não se encaixa. É como se você estivesse no lugar errado ou na hora errada, com a pessoa errada ou fazendo algo completamente errado. Não falo sobre o conceito de certo ou errado, mas na inadequação que o corpo sente, de repente, com alguma coisa que parece não fazer mais sentido.

Você não sabe se é a roupa, o cabelo, o seu jeito ou o ar que mudou. Mas muda. E começa a doer. Dói porque vira aquela pedrinha bem pequenininha presa no sapato que você até consegue caminhar, mas incomoda horrores e tudo o que você consegue pensar é naquela maldita pedrinha que, às vezes, até dá um descanso e escorrega para o cantinho do dedo mindinho e fica ali folgadinha, mas depois ela vai parar na planta do pé, cutuca o calcanhar e você se irrita e precisa tirar o sapato para ela sair e você voltar a caminhar com leveza e conforto.

E eu te pergunto: Quem é você com a pedrinha no sapato?

Continuar lendo “Os incomodados que se mudem: então, tchau!”

Se você está cansado(a) de recomeços, esse texto é pra você!

Por Camila Heloíse

Oi. Eu sei o quanto tem sido difícil. Você se machucou diversas vezes, e antes era diferente, você ainda estava jovem e inspirado o suficiente para deixar tudo para trás e recomeçar. Um novo emprego era sempre uma nova oportunidade, uma nova casa ou outra cidade, era sempre uma conveniência para crescer, conhecer gente nova por aí. Um novo amor, uma nova paixão, sempre visto como um universo de descobertas fresquinho a te esperar.

Mas agora perdeu a graça e isso te afeta profundamente. Desta vez, tudo o que você gostaria era não ter que começar tudo isso, outra vez. Não precisar preparar o corpo, o coração, a casa e a pele para uma nova marca. Você já está exausto de ter que se desfazer de coisas e preparar o terreno do peito para recomeços. Se sente tão cansado que parece muito mais fácil apenas se deitar e deixar a vida passar, apenas aguardando o dia em que tudo isso vai finalmente acabar pra valer. Assim, não serão mais necessários os recomeços, e nem concentrar todos os fracassos num só.

A gente não quer ter que fazer esforço para parecer mais forte do que realmente se é, mais suficiente do que se é, mais flexível do que se é, só para convencer as pessoas que acabam de entrar em nossa vida a nos dar um pouco mais de tempo. Não quer ter que esconder tudo o que já viveu, sentiu e passou, dentro de uma caixinha e usar um disfarce, como se fosse uma pessoa intacta, como uma folha em branco. Estamos cansados de forjar essa esperança e otimismo 24 horas. É por isso que os recomeços nos pesam. O que desejamos é continuar a vida, sem tantas pausas e tantos finais. Sem precisar morrer tanto na praia.

Eu sei o quanto tem sido doloroso. E vim aqui para te dizer, que se você olhar esse cansaço, esse fim, como uma oportunidade de descobrir que você finalmente está livre para ser você mesmo, perceberá que está pronto para viver sem precisar se esforçar, sem máscaras, sem forçar aquilo que já te deixou tão cansado até aqui. Descobrirá, que todas essas pausas e finais não fazem parte de você, você continua correndo como um rio até o mar, só não se deu conta ainda.

Você não precisa encarar o fim como o retorno ao ponto de partida, como se todos estivessem em uma corrida em que você ficou para trás. Você apenas mudou o seu caminho. Partindo dessa ideia, entenderá que não é preciso recomeçar nada porque você não parou nada, apenas continuar, seguir em frente com a mesma dose de coragem dispensada até então, reforçar em seu peito de que todas as coisas são passageiras e você está seguindo a estrada, e as coisas apenas estão passando por você. Como deve ser.

Espero que você entenda que não está voltando ao começo, mas está atravessando algo importante, onde algumas coisas, que nunca te pertenceram e não pertenceriam, cumpriram seu papel em sua vida e agora precisam se desconectar de você.

Enxugue seus olhos, lave seu rosto e remova qualquer vestígio de lágrimas. Você não perdeu nada, você não findou. Compreenda que você continua sob seus pés, que ainda segue em seu caminho. As coisas ao seu redor é que chegaram ao fim do seu ciclo.

E hoje, eu não desejo que você recomece nada, pois tudo está como deveria estar, tudo continua fluindo como deveria, para um resultado ainda melhor e aprendizados ainda maiores.

Eu desejo, do fundo do meu coração, que você CONTINUE.

 

*É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

A beleza da ingenuidade

Por Camila Heloíse

Outro dia, minha sobrinha que mora no interior, me mandou um áudio perguntando “tia, aí neva?”. Moro a uns 470 km de distância, próximo a São Paulo. Eu ri. Ela me pergunta coisas engraçadas no telefone como se eu morasse em outro planeta. Já me perguntou se a comida por aqui era “normal”, e da última vez, me perguntou se eu tinha vizinhos no prédio e se eu era amiga deles. Pensei sobre o fato de eu ter 38 famílias como vizinhas, só conversar com uma delas e nem se quer saber o nome das pessoas que eu conheço.

Também dou bom dia para um guarda que mora no prédio. Ele me chama pelo nome, eu nem sei o nome dele também. Mas eu disse simplesmente a ela que sim, e ela respondeu sorridente “melhor né tia, assim você não se sente tão sozinha”.

Conheço apenas três Estados. Mas, pra ela, eu já viajei o mundo inteiro e ela diz “você deve ser super feliz com esse tanto de viagens pelo mundo, né tia?”. Talvez eu não saiba o quanto sou feliz, meu amor.

Essas perguntas simples me fizeram refletir, com cada fagulha de criatividade que eu tive que usar para responder, sem destruir a beleza da sua ingenuidade.

Ela viu a foto do mar, que eu mostrei pelo celular, e perguntou se era permitido entrar na água, e questionou quem era o dono do mar, se “ele” deixava. Não disse que o mar era de ninguém, expliquei que o dono era Deus, e que nós, tínhamos a obrigação de cuidar bem das praias, e que era legal pedir licença para entrar no mar, já que ele tem uma personalidade muito forte. Expliquei que deveríamos respeitá-lo.

Ela já me perguntou se eu queria ser mãe, e disse que parece ser legal ter um nenê para amar. Que ter filho era fácil, bastava só amar e dar comida pra ele (rs).

Quando me sinto triste, ligo pra ela. Ela sabe. Alguma coisa dentro dela sabe o quanto eu preciso desse amor desmedido e simples. Aquele pequeno grande coração sabe que a vida é doce, nós, os adultos, é que esquecemos – e endurecemos com o tempo.

Da última vez que a visitei, eu levei vários presentinhos. Me preocupei em escolher as coisas da cor que ela gosta, e tudo com detalhes em glitter ou unicórnio. Mas, ela se lembrou do cubinho de queijo que eu dividi com ela, uma caixinha de polenguinho que levei pra comer durante a viagem. O momento em que sentamos pra ver um filme de princesa e eu dividi o queijo com ela, foi mais marcante do que todos os presentes que eu não pude dividir ou aproveitar junto dela.

São lições diárias recheadas de amor e afeto. E eu, já tive tantas dúvidas sobre se aprendemos pelo amor ou somente pela dor. Por muito tempo acreditei que a vida era dura mesmo e que o resto era apenas ilusão e que não valia a pena. Mas, um amor desses, tomba a gente pela raiz. Um amor desses faz a gente capotar nas curvas que a gente usa pra fingir racionalidade e evitar a parte maravilhosa da vida.

Eu quero é mais que coisas assim, tão ingênuas quanto as perguntas dela, me afoguem em carinho. Quero aprender com ela a não me esquecer de que preciso conversar mais e atentamente com meus vizinhos, que preciso aproveitar melhor as minhas viagens, ainda que sejam pra perto, e que os melhores presentes que posso levar não estão nas lojas mais bonitas.

Quero – principalmente – não deixar morrer esse laço feito de fita infinita que enlaça as pessoas que se amam. E descobrir um jeito de proteger, naquele mundo pequeno e cor-de-rosa, a beleza da sua ingenuidade.

Daqui de cima o mundo é seco, meu amor. Mas, se depender de mim, você só subirá nessa montanha para admirar o céu e as estrelas.

 

*É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Não se perca de si mesmo. Deixar algo para trás, é também deixar fluir o que vem pela frente

 

Por Camila Heloíse

Sim, aquilo que nossos pais diziam desde a infância de que “nem tudo o que você quer, você pode” sempre foi real. E se você não carregou essa lição em seu coração, pode causar dor e sofrimento a si mesmo durante sua caminhada.

Às vezes, nossos desejos embaçam nossa visão, e o que fazemos primeiro é exatamente isso – nos esquecemos quem somos, para travarmos uma batalha que, no final de tudo, perde seu verdadeiro sentido e se torna apenas questão de honra. É preciso entender que nem tudo aquilo que você deseja, será seu. Isso vale para relacionamentos, empregos, coisas etc. Não é porque você quer muito algo, que deve passar a sua vida lutando por aquilo, desgastando o que há de melhor em si, quando fica óbvio que não te pertence.

É claro que manter sonhos e esperanças e batalhar pelo que se acredita é fundamental em nossa vida, o que é importante lembrar é que, em determinados momentos, precisamos parar e analisar se aquela trajetória está nos levando ao encontro daquilo que almejamos ou apenas a um abismo que nos fará perder a nossa essência, quem realmente somos.

Deixar algo para trás, é também deixar fluir o que vem pela frente. Alguns desejos vão se tornando apenas pedras em nossas mochilas, e por desejarmos tanto, não percebemos que aquilo se tornou apenas um peso, que nos impede de dar passos com maior leveza em direção a tantas outras coisas boas que existem a nossa espera.

Já vasculhou sua mochila? Já se deu o carinho de parar e analisar se de fato vale a pena lutar essa batalha que está removendo suas energias? Deixar para trás é tão importante quando seguir em frente. Solte as pedras que impedem seu passo leve, sem pensar que está desistindo de algo como se fosse fraco. Desistir exige de nós muito mais coragem do que parece. Pois, soltar algo que agarramos com tanta fé um dia, requer que façamos a viagem dolorosa pra dentro de nós mesmos, e percebamos o quanto estamos equivocados.

Existem infinitos caminhos esperando para serem percorridos por nós. Existem outros amores, outros empregos, outras viagens e outros sonhos possíveis que apenas precisam do nosso olhar. Abra espaço em sua mente e coração, não se deixe levar por desejos tão profundos que confundem e nos fazem mais chorar do que sorrir. Você merece sorrir!

Tudo o que te peço hoje é isso: não se esqueça de quem você era antes de desejar algo que não pode ter. Se lembre do quanto você já era inteiro e capaz de sobreviver às reviravoltas que o mundo dá, você só precisa mudar o caminho para continuar seguindo em frente, sempre.

Ela é forte. Mas tá cansada.

Por Camila Heloíse

Eu sei. De repente tudo o que parecia estar certo, caiu por terra. Tudo o que você acreditava, teve fim. A sua vida virou, diante dos seus olhos, uma cortina de fumaça e você não consegue nem enxergar direito e nem respirar esse ar.

E o que dói, não é ver seus sonhos não passarem de ilusão. É que pela milésima vez você se vê assim, nessa situação. Mais uma vez você se sente caindo, caindo, procurando um chão que não chega nunca. Procurando pela graça do esquecimento, porque tudo o que você quer é isso: esquecer.

Eu sei. Bate aquele desespero e a sensação de que só com você é assim, tão difícil. Por que todos os outros estão tentando e conseguindo? Por que não chega nunca a minha vez? O que pode haver de tão errado comigo? O cansaço virou seu melhor amigo, seu companheiro. Você deita a cabeça no travesseiro e quer dormir por um mês. Acordar virou um martírio, continuar virou sacrifício. Você é forte, e sabe disso, mas está cansada. E o cansaço parece te ganhar.

Mas olha, o que quero que você se lembre é de como chegou até aqui e de porque está cansada. Olhe tuas marcas, tuas cicatrizes e veja a quantidade de batalhas que você teve que lutar. A quantidade de tombos que você teve que encarar. Eu sei que o cansaço te consome, mas essas duras quedas só chegam até você por conta dessas asas teimosas que insistem em alçar voos sempre mais altos do que os dos outros. Você é insistente, garota!

Você é tão vibrante que atrai tudo para si. E tão incrível que acaba atraindo pessoas que muitas vezes querem roubar teu brilho. Não é culpa sua, você transcende a própria existência e é por isso que os teus ombros pesam muito mais. O mundo está nas suas costas, e é porque o Universo sabe que só você consegue carregar.

Tua força é imensurável e inspiradora! Muitos dariam as próprias conquistas para ser como você, e lutar pelo que realmente desejam, com a mesma coragem e insistência. Com a mesma verdade e fé.

Então, hoje, descanse. Solte o mundo dos ombros e a própria cobrança do peito. Esquece esse jeito de viver tentando fazer tudo dar certo. Só por hoje, descanse. Toda super-heroína uma hora cansa e uma hora precisa recarregar as próprias energias. Se dê um tempo, amanhã é outro dia e suas asas precisarão estar inteiras de novo para mais um alto voo, para mais uma busca que só você sabe a importância que tem.  

Repousa o teu cansaço, amanhã haverá outro dia inteiro seu, e você estará pronta para continuar.

 

*Para adquirir o meu livro “Domando o Dragão – a experiência de conviver com a ansiedade, clique aqui.